O Menino e a Lua



Havia uma grande casa azul no fim de uma rua pacata. Nela havia um quarto igualmente azul, com uma janela grande por onde a luz da lua entrava e cobria a silhueta de um menino deitado em sua cama.
O pobre menino mesmo depois de tomar seu copo de leite e escovado os dentes como sua mãe mandara, ainda não conseguia dormir. Rolava pela cama como se esta fosse um braseiro em chamas. Até que por fim desistiu de dormir.
A lua observava tudo de seu lugar no céu. Interessou-se pelo garoto que já de pé em frente à janela olhava-a indiferente. Então ela o questionou:
- Quê faz acordado menininho?
- Não consigo dormir. – respondeu tristonho.
- Então vai me admirar por toda a noite?
- Só até eu ter vontade de dormir.
- Se é questão de vontade, durma logo se está com sono.
- Tenho medo.
- De quê?
- De não abrir mais os olhos. De não acordar. De não poder mais me levantar e vir à janela.
 
 A lua comovida com o desabafo daquele garoto tão pequeno resolveu lhe ajudar. Cantou pra ele a música mais bonita que conhecia e nessa noite brilhou como se fosse o próprio sol iluminando o dia.
    O menino então se virou em direção à cama e disse:
- Vou dormir. Quem sabe sonho com você...
- Não tens mais medo?
- Não. Agora sei que tenho uma amiga zelando por mim. Boa noite Lua!
- Boa noite Menino! – Respondeu a Lua alegre.


E o Menino dormiu. Dormiu intensamente por toda a noite e todo o dia, sonhando com a sua nova amiga que lhe fora tão gentil. E continuou sonhando.
    Chegando a noite seguinte a Lua direcionou logo seu olhar para aquela casinha azul, por entre a janela, procurando seu amigo. Mas tudo que viu foi uma mulher sentada na cama chorando. E igualmente triste ela disse:
- Quem diria? Ele realmente não acordou.
E chorou.